A Umbanda e o Natal – O que celebrar nesta data?

Como se sabe, a Umbanda é plural e carrega em si a influência e os elementos de diversas tradições, notadamente a herança africana, nativo brasileira e a cristã, representada tanto pelas raízes kardecistas quanto pela influência católica.

Além disto, o mundo em que vivemos hoje tem forte influência da doutrina e das tradições cristãs. Basta lembrar que o calendário oficial vigente no mundo, mesmo no oriente, é o calendário cristão, baseado na idade atribuída a Jesus.

Independentemente da questão religiosa, o Natal, assim como o réveillon, faz parte do calendário de festas de fim de ano , é um feriado do qual todos usufruem, sejam religiosos ou não e, principalmente, tem a ele atrelado a tradição de unir as pessoas em torno de uma mesa ou em uma festa para celebrar esta data.

Do ponto de vista dos Umbandistas, a data pode ou não representar o sagrado: Tudo depende de como cada tradição, cada casa, cada sacerdote lida com essa questão e de qual valor atribui a essa data.

A primeira questão é quanto è presença ou não do sincretismo no culto de cada casa. As casas que praticam a Umbanda em culto sincrético entre os Pais e Mães Orixás e os santos católicos, necessariamente cultuarão Pai Oxalá na figura de Jesus Cristo. Sendo assim, para estas casas, estas tradições, o Natal represetará uma data consagrada ao culto de Oxalá.

Por outro lado, grande parte dos terreiros hoje já não cultua a Umbanda de forma sincrética, sendo assim, não há uma associação imediata e necessária entre Orixás e santos católicos e, muitas das vezes, quando este terreiro também cultua e homenageia os santos, o faz de maneira separada, distinguindo o culto e as homenagens aos Orixás do tributo que se presta aos irmãos desencarnados que, um dia, por alguma razão, dentro da liturgia católica, foram considerados Santos e elevados a este patamar.

Encontramos dentre os autores umbandistas alguns que fazem referência expressa ao fato de que Jesus Cristo seria, verdadeiramente, uma “parte” da essência de nosso PaI Oxalá que encarnou, o que, portanto, justificaria o seu sincretismo.

Para outros, Jesus Cristo (ou Mestre Sananda, como é conhecido em alguns círculos espiritualistas) além de ser o grande “zelador” deste planeta, sendo o Mestre responsável por cuidar de nós neste plano, é também um dos patronos da Umbanda o que naturalmente o aproximaria de Oxalá, o que também explicaria o sincretismo de ambos.

Há ainda os que dissociam completamente Jesus Cristo de Oxalá, ressaltando tratar-se de seres distintos em estados da existência muito diferentes: Jesus Cristo é um ser humano, um espírito muito evoluído que reencarnou para alavancar o desenvolvimento deste plano e mesmo tendo atingido o grau de Mestre, é um espírito como nós, um ser ainda em desenvolvimento, enquanto Pai Oxalá é uma Divindade, um Orixá, divino em sua natureza e detentor de um dos mistérios da criação de tudo.

Para muitos, especialmente os umbandistas que vêm de famílias de tradição católica, a natureza divina de Jesus Cristo, como sendo o filho de Deus e seu intercessor na terra é inegável, sendo Jesus, por si somente, a divindade a ser cultuada na Umbanda.

Não existe uma fórmula (ou dogma) sobre a natureza divina de Cristo e sua ligação (ou não) com Pai Oxalá e todas as formas de abordar o tema estão corretas. As visões divergentes não se excluem, elas se completam e, verdadeiramente, o mais importante é a conexão que cada um de nós faz com eles durante nossos trabalhos.

Se em sua consciência, em seu conceito, em seu coração, Oxalá e Jesus são o mesmo ser, se conecte desta forma com ele(s) e assim você será atendido em suas preces e amparado em seu trabalho caritativo.

Caso entenda que Jesus e Oxalá são seres de natureza distinta, siga em paz com sua consciência e faça suas preces a cada um deles da maneira que melhor se sentir confortável. Tudo está bem e certo.

Da mesma forma, se para você, em seu conceito, comemorar o Natal é um ato sagrado, de fé, seja a fé em Jesus Cristo ou em Pai Oxalá – ou em ambos – coloque em prática o melhor da sua fé, a mais bonita e generosa fé em cada momento que dividirá com seus familiares e amigos.

Se para você, por outro lado, em sua consciência, o Natal é apenas uma festa de fim de ano, um feriado e um dia onde as pessoas se reúnem, aproveite esta oportunidade de se conectar com as pessoas de quem você gosta da melhor maneira possível

Se o Natal te parece algo consumista e vazio, faça diferente, ponha amor na receita.

Se o Natal te parece uma comemoração hipócrita, com sorrisos vazios e falsos votos de felicidade, faça diferente, deseje felicidade com verdade, faça algo por alguém.

Ligue para um amigo que está distante, ou que anda sumido, pode ser que ele não esteja bem e sua ligação fará a diferença. Dê algo de si para alguém, apenas por desejar presentear e alegrar um pouco a existência de outra pessoa que não seja a si mesmo.

Quer saber se o Natal faz parte da Umbanda? Quer fazer um Natal Umbandista? Então AME.

Jesus nos ensinou o amor próprio e o amor ao próximo, o mesmo amor que nos ensina Pai Oxalá e todos nossos pais e mães Orixá, assim como todos os Guias, Mestres, Mentores, Divindades, Mestres Ascencionados e todos aqueles que militam pelo bem, pela luz e pela ascensão planetária e de cada um de nós.

Desejo que você possa fazer do seu Natal a oportunidade de dar, a si mesmo e ao mundo, a sua melhor versão.

Axé e Feliz Natal!

Comentários

comentários

Você pode gostar...