Ibejis vencem a morte brincando

Os Ibejis, orixás gêmeos, viviam para se divertir. Não é por acaso que eram filhos de Oxum e Xangô.

Viviam tocando uns pequenos tambores mágicos, que ganharam de presente de sua mãe adotiva, Yemanjá.

Nessa mesma época, a Morte colocou armadilhas em todos os caminhos e começou a comer todos os humanos que caíam nas suas arapucas.

Homens, mulheres, velhos ou crianças, ninguém escapava da voracidade de Icu, a Morte, que pegava todos antes de chegar a hora de morrer de cada um. O terror se alastrou entre os humanos. E todos se juntaram para tentar dar um fim à obsessão da Morte em ceifar vidas humanas antes da hora. Eram sacerdotes, bruxos, videntes, curandeiros… E um por um a Morte vencia sem piedade. E os humanos continuavam morrendo antes do tempo.

Foi quando os Ibejis armaram um plano para deter a Morte.

Um deles foi pela trilha perigosa onde a Morte havia armado sua mortal armadilha. O outro irmão seguia atrás escondido, acompanhando à distância por dentro do mato.

O Ibeji que ia pela trilha ia tocando seu pequeno tambor. Tocava com tanto gosto e maestria que a Morte ficou maravilhada; não quis que ele morresse e o avisou da armadilha.
A Morte se punha a dançar aquela música sem parar, enfeitiçada pelo som do tambor do menino.

Quando o irmão se cansou de tocar, o outro, que estava escondido no mato, trocou de lugar com o irmão sem que Icu nada percebesse. E assim um irmão substituía o outro e a música jamais cessava.

E a Morte dançava sem fazer sequer uma pausa, e ainda que estivesse muito cansada, não conseguiu mais parar de dançar. E o tambor continuava soando seu ritmo irresistível.

A Morte já estava esgotada e suplicou ao menino que parasse a música por uns instantes, para que ela pudesse descansar. E implorava por um descanso sem conseguir parar de dançar enquanto o tambor tocasse.

E já não aguentava mais dançar quando os Ibejis lhe propõem um acordo:  A música pararia, mas a Morte teria que jurar que retiraria todas as armadilhas. Como não tinha escolha, rendeu-se. Os gêmeos finalmente venceram e salvaram os homens da morte antes da hora.

E assim ficaram com a fama de muito poderosos, porque só eles puderam vencer a briga com a Morte.

Os Ibejis são poderosos, mas o que eles gostam mesmo é de brincar.

Conto adaptado de: Mitologia dos orixás, Reginaldo Prandi.

Comentários

comentários

Cleber Quichimbí

Cleber Quichimbí

Cleber 39 anos, filho de Oxalá... Idealista e emotivo. Metódico. Estudioso. Qualquer brinquedo é motivo para ser montado e desmontado. Este é seu maior desafio na vida: entender como as coisas funcionam nos mínimos detalhes.

Você pode gostar...