Orixá de cabeça, de frente, de todos os lados!

 

Existe muita dúvida sobre a questão do “posicionamento” dos orixás na cabeça das pessoas. Alguns dizem que os orixás estão em partes do nosso corpo (cabeça, frente, pés) outros lhes dão nomes ainda mais difíceis de interpretar (ancestral e juntó), mas todos se referem basicamente à mesma coisa: como a presença dos orixás existe em nossa vida.
Primeiro é importante dizer que os orixás estão todos em nossa vida o tempo todo. Como já comentei em outros artigos, a energia dos orixás é a energia da natureza. E somos antes de tudo, filhos do corpo da Natureza, pois temos em nós a essência de todos minerais, madeira, plantas e água.
Carl Sagan dizia que somos feitos de poeira de estrelas, já que temos em nós partículas que vieram de cometas que caíram do espaço há milhões de anos. Há quem diga que a natureza é o corpo de Deus. Independente de qual linha de pensamento se adote, o nosso corpo está impregnado da energia da mãe Terra e também de todos os orixás.
E então você pode perguntar como os orixás podem existir em nossas vidas se todos temos um pouco de cada um dentro de nós?
O nosso corpo não é apenas o amontoado de carne e ossos do corpo físico. Em cima desta base biológica temos o espírito, o ânima, que é o que nos impulsiona à vida. E na Umbanda acreditamos que esta energia vital se organiza da seguinte forma:

 

Orixá ancestral ou de cabeça:

Acreditamos que quando Deus quis criar o princípio da vida dos homens, encarregou a tarefa a cada um dos orixás. E no princípio de tudo, cada orixá emprestou uma fagulha da sua luz para dar a vida aos homens.
Então, antes mesmo de existirmos, cada orixá empresta uma parte de seu axé para que tenhamos a vida na Terra. E este orixá ao emprestar uma fagulha de sua luz, empresta também as suas próprias características à sua criação.
Os homens são feitos à imagem e semelhança de Deus, mas recebem uma parte do axé de seu orixá que o animou no princípio de tudo, incontáveis reencarnações para trás.
Este é o orixá de cabeça ou ancestral. É ele quem emprestou a primeira fagulha de vida para seu espírito, antes mesmo dele ter corpo físico e perispírito.
Como existe a reencarnação, o espírito continua o mesmo dentre todas as encarnações, assim como o orixá ancestral. E como o espírito reencarna como homem ou mulher, pois espírito não tem sexo, você carrega seu orixá ancestral em todas as suas encarnações. Por este motivo na Umbanda há pessoas encarnadas em corpo de sexo masculino com orixás de cabeça ditos femininos, assim como mulheres com orixás ancestrais masculinos.
(E até o masculino e feminino é um conceito da biologia, e não da espiritualidade, portanto a divisão entre sexos não é estendida ao mundo espiritual, mas falarei disso mais adiante em outro tema)
Por exemplo, uma pessoa pode ter recebido a fagulha de vida de Iemanjá e ter nascido nesta encarnação em corpo masculino. Isso não o impede de carregar Iemanjá em sua cabeça.

Orixá de frente

Já que estamos falando de encarnações, a cada vez que viemos à Terra, temos nossas missões, nossos resgates e muita coisa com a qual nos comprometemos antes de encarnar frente aos nossos mentores e frente à nossa própria consciência.
Para executar este plano de resgate de vida, Deus em sua bondade, determina que um orixá pode lhe oferecer sua energia para nos ajudar neste plano terrestre.
Então, recebemos um segundo orixá, que está ligado em amor a cada um de nós, mas em verdade e justiça à nossa capacidade de resgatar nossas faltas de outras encarnações.
Como está ligado à nossos resgates e missões desta encarnação, este orixá fica à nossa frente, nos guiando pelas dificuldades que vamos enfrentar aqui na Terra.
Este orixá não muda nunca dentro desta encarnação, e é ele quem determina como você vai lidar com seus resgates cármicos.
Dizemos que Ogum emprestará sua vontade de guerrear, que Xangô emprestará seu gosto pela vida, que Iemanjá trará seu amor incondicional, etc etc. Assim você consegue viver esta encarnação e usar esta força do orixá de frente para crescer moralmente nesta vida.

Orixá juntó ou dos pés.

Ainda dentro da nossa encarnação, para além dos problemas que devemos passar dada nossa programação de vida com nossas situações anteriores, temos outras questões importantes mas que são transitórias na vida.
Um evento muito importante como a morte de um familiar pode desencadear um novo ciclo na vida das pessoas, assim como um acidente, ou um trauma, ou até mesmo um casamento, etc.
E a cada ciclo de vida que temos, um novo orixá está nos emprestando seu axé praquele momento específico da nossa vida.
Este orixá nos acompanha por um período apenas, o tempo deste ciclo se completar em nossa vida. E este tempo é variável, pode demorar meses ou anos, dependendo de cada um e de quanto tempo aquele ciclo vai demorar para finalizar.
Temos assim, 3 orixás regendo e nos auxiliando em nossas vidas atuais. Um orixá que nos deu a vida desde sempre, um orixá que veio conosco desde o nascimento nesta encarnação, e um orixá que nos auxilia desde o começo do nosso momento de vida atual.

Como saber os orixás de cada um?

Depende muito da tradição de cada casa. Algumas casas usam o jogo de búzios, outras casas solicitam ao guia de frente da pessoa que revele seus orixás, ou utilizam a mediunidade do guia chefe do terreiro para revelar. Há também casas que utilizam outras formas como numerologia, dia do nascimento, ou outros sistemas de oráculo como baralho cigano e tarô.
Qual está certa? Aquela utilizada na casa em que você está. Sempre esteja numa casa em que você se sinta confortável com a doutrina utilizada nos seus rituais.
Pois independente da forma de descobrir os orixás, o importante é conhecê-los e utilizar esta informação para o seu crescimento espiritual e autoconhecimento.

Comentários

comentários

Cleber Quichimbí

Cleber Quichimbí

Cleber 39 anos, filho de Oxalá... Idealista e emotivo. Metódico. Estudioso. Qualquer brinquedo é motivo para ser montado e desmontado. Este é seu maior desafio na vida: entender como as coisas funcionam nos mínimos detalhes.

Você pode gostar...